Caro associado, caso tenha algum texto ou matéria que seja importante para os demais associados ou para a AAPN, favor nos enviar através do “Fale Conosco”, onde poderá ser anexado um arquivo.

No Brasil a expressão idoso se refere aos velhos respeitados.

"No Brasil a expressão idoso se refere aos velhos respeitados, pois, o termo velho, está associado à pobreza, à dependência e à incapacidade. Além disso, a designação terceira idade indica os velhos, aposentados dinâmicos como acontece na sociedade francesa." (PEIXOTO, 1998).
No Brasil, a mudança demográfica desde meados da década de 60 com a queda da taxa de natalidade e o aumento da longevidade, vem alterando a estrutura por idade da população brasileira. No bojo dessa tendência atual de tornar visível socialmente a velhice foi criada a idéia de terceira idade, designando uma nova etapa na vida interposta entre a idade adulta e a velhice, acompanhada de práticas institucionais e profissionais para demarcar e atender às necessidades desses indivíduos.
Na tentativa de resguardar os direitos de cidadania, o governo criou o estatuto do idoso, que traz uma série de garantias e salvaguardas a todos aqueles que têm mais de 60 anos de idade, além de inovações em diversas áreas, tais como educação, lazer, saúde, transporte, entre outros.
Para a OMS, o idoso ou a terceira idade (60 a 75 anos) é a faixa etária que mais cresce em termos proporcionais, e estima-se que até 2020 o número de idosos deva quase dobrar, vindo a representar cerca de 14,7% da população, o que corresponderia a mais de 30 milhões de pessoas, segundo o U.S Bureau of Census (1996). Este crescimento sem precedente da população de idade avançada, é uma das mudanças demográficas mais significativas das últimas décadas.
Segundo Mazo (2001), o Brasil, para muitos, ainda é um país de jovens, sendo o envelhecimento populacional geralmente associado aos países mais desenvolvidos da Europa e da América do Norte. Para esse autor, nos dias atuais, tal afirmativa não representa verdadeiramente a realidade, pois, conforme o IBGE (2000) a população acima de 60 anos distribuído em todo país, somam aproximadamente 15 milhões pessoas.
Desse modo, tendo em vista que o número de pessoas de faixa etária acima de 60 anos aumenta significativamente em todos os países do mundo, faz-se necessário maiores estudos e pesquisas, que possibilitem a viabilização de recursos que proporcione à esta população, cuidados e atitudes mais saudáveis, a partir dos interesses desses indivíduos.
Nesse entendimento, vislumbramos que o crescimento deste público significa milhões de consumidores em diversos setores incluindo o do mercado turístico. O expressivo aumento na duração do tempo de vida, aliado ao progresso da economia mundial e a tendência moderna para viajar, pode significar uma grande fonte para desenvolver a atividade turística. O turismo seja enquanto atividade inserida na economia de mercado, seja como fenômeno sóciocultural, não deixará de ser afetado pelos reflexos dessa nova composição já que, na sua maioria, são pessoas com tempo disponível para viajar o ano todo, representando uma fatia no mercado e capaz de diminuir os efeitos da sazonalidade nos destinos turísticos.
"De modo geral, o público da terceira idade busca o contato com novas pessoas, novas culturas, participação em eventos de confraternização e a vivência de experiências diferenciadas, aliadas com o meio ambiente, ou ainda, ligadas à religiosidade." (MOLETTA, 2000).
"No Brasil a expressão idoso se refere aos velhos respeitados, pois, o termo velho, está associado à pobreza, à dependência e à incapacidade. Além disso, a designação terceira idade indica os velhos, aposentados dinâmicos como acontece na sociedade francesa." (PEIXOTO, 1998). 

No Brasil, a mudança demográfica desde meados da década de 60 com a queda da taxa de natalidade e o aumento da longevidade, vem alterando a estrutura por idade da população brasileira. No bojo dessa tendência atual de tornar visível socialmente a velhice foi criada a idéia de terceira idade, designando uma nova etapa na vida interposta entre a idade adulta e a velhice, acompanhada de práticas institucionais e profissionais para demarcar e atender às necessidades desses indivíduos.

Na tentativa de resguardar os direitos de cidadania, o governo criou o estatuto do idoso, que traz uma série de garantias e salvaguardas a todos aqueles que têm mais de 60 anos de idade, além de inovações em diversas áreas, tais como educação, lazer, saúde, transporte, entre outros.

Para a OMS, o idoso ou a terceira idade (60 a 75 anos) é a faixa etária que mais cresce em termos proporcionais, e estima-se que até 2020 o número de idosos deva quase dobrar, vindo a representar cerca de 14,7% da população, o que corresponderia a mais de 30 milhões de pessoas, segundo o U.S Bureau of Census (1996). Este crescimento sem precedente da população de idade avançada, é uma das mudanças demográficas mais significativas das últimas décadas.

Segundo Mazo (2001), o Brasil, para muitos, ainda é um país de jovens, sendo o envelhecimento populacional geralmente associado aos países mais desenvolvidos da Europa e da América do Norte. Para esse autor, nos dias atuais, tal afirmativa não representa verdadeiramente a realidade, pois, conforme o IBGE (2000) a população acima de 60 anos distribuído em todo país, somam aproximadamente 15 milhões pessoas.     Desse modo, tendo em vista que o número de pessoas de faixa etária acima de 60 anos aumenta significativamente em todos os países do mundo, faz-se necessário maiores estudos e pesquisas, que possibilitem a viabilização de recursos que proporcione à esta população, cuidados e atitudes mais saudáveis, a partir dos interesses desses indivíduos.     Nesse entendimento, vislumbramos que o crescimento deste público significa milhões de consumidores em diversos setores incluindo o do mercado turístico.

O expressivo aumento na duração do tempo de vida, aliado ao progresso da economia mundial e a tendência moderna para viajar, pode significar uma grande fonte para desenvolver a atividade turística.

O turismo seja enquanto atividade inserida na economia de mercado, seja como fenômeno sóciocultural, não deixará de ser afetado pelos reflexos dessa nova composição já que, na sua maioria, são pessoas com tempo disponível para viajar o ano todo, representando uma fatia no mercado e capaz de diminuir os efeitos da sazonalidade nos destinos turísticos.     "De modo geral, o público da terceira idade busca o contato com novas pessoas, novas culturas, participação em eventos de confraternização e a vivência de experiências diferenciadas, aliadas com o meio ambiente, ou ainda, ligadas à religiosidade." (MOLETTA, 2000).